Hoje é Qui Out 19, 2017 10:37 am

Todos os Horários estão como UTC - 2 horas




Criar novo tópico Responder Tópico  [ 6 Mensagens ] 
Autor Mensagem
 Assunto do Tópico: Velas de proa duplas e estais volantes
MensagemEnviado: Sex Mai 06, 2016 12:16 pm 
Offline
Usuário primeira classe
Avatar de usuário

Data de registro: Sáb Mai 14, 2011 11:34 pm
Mensagens: 717
Localização: Rio de Janeiro
Estava lendo um artigo do Arnaldo que tem o mesmo título do meu tópico. Aí surgiram algumas dúvidas... dúvidas são altamente benignas porque, quando sanadas, se transformam em conhecimento, por isso espero que o assunto seja bem debatido e lance luz sobre o tema. Vamos lá:
Velas yankee e staysail: Quem é quem? Acredito que a staysail seja a "segunda" vela de proa, que no POP 25 o Cabinho chama de reacher. Sendo isto, a buja ou genoa que já existe na embarcação pode ser usada como se fosse uma yankee? É muito nome de vela...
Pelo que entendi, essa configuração facilita a orça. No través pode-se usar as velas em conjunto com um gennaker? Quando estamos com vento pela alheta, enrola-se as duas e trabalha-se apenas com o gennaker? Acho que funciona assim mas gostaria de uma confirmação...
Não sou nenhum regateiro mas, como o Arnaldo diz em seu artigo, "qualquer coisa que retarde a marcha quando se pode andar bem deve ser encarado como algo que prejudica a segurança". Meu veleiro, em função do conforto (e da preguiça) tem, como a maioria, enrolador e o tape anti-uv na genoa. A gente ganha de um lado e perde um pouco do outro. Se eu puder compensar com mais uma vela na proa (ou duas, com o assimétrico num gurupés), a coisa ficaria mais interessante.
Espero que outras dúvidas sejam levantadas e debatidas.

_________________
Eduardo Azambuja
veleiro Brave Heart


Voltar ao topo
 Perfil  
 
 Assunto do Tópico: Re: Velas de proa duplas e estais volantes
MensagemEnviado: Dom Mai 08, 2016 9:58 am 
Offline
Usuário primeira classe

Data de registro: Sex Mai 13, 2005 10:39 pm
Mensagens: 2825
Localização: Itaboraí, RJ
Eduardo,

Já preparei um desenho inicial e vou ainda fazer mais dois. Aí posto tudo, acompanhado de um texto. Adianto que a "double headsails", como era chamado o conjunto staysail + yankee, foi solução encontrada há provavelmente mais de dois séculos, para operar barcos com gurupés, vela de carangueja e quase nada dos equipamentos que temos hoje. Com a adoção, nos barco de oceano, da mestra triangular (bermuda), lá na década de 30, as velas de proa duplas ainda persistiram, com os barco já sem gurupés mas com o mastro muito recuado. Isso se manteve até depois da guerra, quando os triângulos de proa diminuíram, com o avanço dos mastros em direção à proa. Mas a facada final nas velas duplas foi o desenvolvimento de catracas, moitões, trilhos de genoa e sistemas mais eficientes de regulagem. Nessa hora a genoa, que até então era uma vela de proa para ventos mais fracos, passou a ser titular nos barcos de regata. Por titular eu quero dizer que a maior delas era substituída por outra, um pouco menor, à medida em que o vento apertava. Antes, nessa hora, aparecia a configuração com velas de proa duplas, também chamada de armação "cutter". Mas isso tudo eram hábitos de regata, impulsionados pelas regras de regata e por equipamentos caros. Há, em cruzeiro, outros caminhos.

Não acho possível usar a estreita via deste fórum para discutir o assunto, que é imenso. Há livros inteiros escritos só sobre esse tema. Mas vou tentar escrever uma intrudução. Bitte, ein Bisschen warten.

Abraço

Arnaldo

_________________
Velas Cognac
33 Anos de Brasil
adrianno@openlink.com.br


Voltar ao topo
 Perfil  
 
 Assunto do Tópico: Re: Velas de proa duplas e estais volantes
MensagemEnviado: Dom Mai 08, 2016 3:14 pm 
Offline
Usuário primeira classe
Avatar de usuário

Data de registro: Sáb Mai 14, 2011 11:34 pm
Mensagens: 717
Localização: Rio de Janeiro
A náutica e, principalmente, a vela são universos a serem explorados. Seja com os livros, seja caçando as velas.
Ich warte auf dich gern! Danke!

_________________
Eduardo Azambuja
veleiro Brave Heart


Voltar ao topo
 Perfil  
 
 Assunto do Tópico: Re: .
MensagemEnviado: Sex Mai 13, 2016 8:29 am 
Offline
Usuário primeira classe

Data de registro: Sex Mai 13, 2005 10:39 pm
Mensagens: 2825
Localização: Itaboraí, RJ
Eduardo, obrigado por esperar. O que se segue é um super-resumo abordando velas de proa duplas. Barcos que as usam são algumas vezes chamados de "cutter". O texto é necessariamente incompleto posto que o assunto é amplo o bastante para constituir, só ele, um livro completo.

Com eu já disse antes, as velas de proa duplas (e triplas) foram uma natural consequência dos equipamentos disponíveis antes do advento de catracas, escotas sintéticas, moitões roletados e enroladores de vela. Era preciso dividir forças e era preciso segurança. Várias velas de proa eram mais fácil de operar, ofereciam mais alternativas de área (mais combinações entre elas) e davam mais segurança pois o barco não ficava demasiadamente na dependência de uma só vela de proa. Já no século XX o panorama mudou um pouco de modo que mesmo os "cutter" das décadas de 30 a 50, com mestra triangular, não funcionavam exatamente como seus congêneres do século XIX. Ainda assim, como não havia enroladores de genoa (e, no início, tampouco genoas), a armação em cutter se mostrava muito prática. Em resumo, tinha-se, lá em meados dos anos 50, a seguinte configuração:

- Para vento fraco, uma genoa 165% (regra CCA ou similar) armada no estai mais externo, conjugada à vela mestra. Nesse momento os barcos eram parecidos com o que vimos nas décadas de 60 a 80.

- Quando o vento apertava um pouco, engatava-se o estai interno (da staysail) e içava-se nele a staysail I, a maior de duas velas com essa nome. Descia-se então a genoa e no seu estai, isto é, no estai de vante (ou "externo"), armava-se uma yankee I, a maior de duas velas com esse nome. De Yankee I combinada com Staysail I o barco ainda tinha a área de uma genoa 150%.

- Com um pouco mais de vento descia-se a yankee I e subia-se a yankee II, de área um pouco menor.

- Ainda com um pouco mais de vento descia-se a staysail I e subia-se a staysail II.

- Se a coisa apertasse ainda mais, descia-se a Yankee II e ficava-se só com a Staysail II, que fazia o papel de buja de mau tempo. Ainda havia uma storm jib para os casos mais extremos. Armada no lugar da staysail II.

- Claro que a mestra ia sendo paulatinamente rizada.

A imagem abaixo mostra um barco desse tipo, de propósito bem "genérico".
Anexo:
Cutter antigo.jpg
Cutter antigo.jpg [ 118.7 KiB | Visualizado 876 vezes ]



Modernamente ressurgiram as velas de proa dupla, agora armadas em enroladores. O princípio de funcionamento não é o mesmo pois dificilmente se vê troca de velas. Também há muita diferença entre os barcos de competição que usam múltiplas velas de proa e os barcos de cruzeiro. Vou me ater aos barcos de cruzeiro mais próximos de nós, notadamente a projetos nacionais. Na imagem que aparece mais abaixo eu não uso o casco desses barcos, preferindo repetir o casco anterior. Assim o leitor não se perde em minúcias. Mas a mastreação é "moderna", isto é, é a que aparece em parte dos barcos de cruzeiro propostos para nosso mercado.

Em resumo:

- O mastro avançou e a retranca cresceu. Em muitos casos os fuzis (esperas dos brandais) foram para a borda e ficaram recuados em relação ao mastro. Surgiram dois pares de cruzetas longas e anguladas para trás perto dos 30 graus.

- Em muitos casos o estai de popa desapareceu e surgiu uma vela mestra muito grande, eventualmente com tope "square".

- À proa surgiu um estai permanente, indo do bico de proa até a cota das cruzetas superiores. Nele vai montado um enrolador.

- Mais a vante, num pequeno gurupés, foi criado um segundo estai (estai "externo"), por vezes indo até o tope. Nele também vai montado um enrolador.

Note como ficou a mastreação examinando a figura do lado esquerdo na imagem a seguir:
Anexo:
Cutter novo.jpg
Cutter novo.jpg [ 118.3 KiB | Visualizado 876 vezes ]


Usei um barco com o mesmo comprimento e com o mastro da mesma altura. Note que nem o punho de escota da buja interna nem o da buja externa (que em alguns projetos aparece como "reacher") passa para ré dos brandais. Não seria mesmo possível porque o barco não orçaria com velas de proa que tivessem "overlap" no estai. A área da mestra aluada (square), somada com a da buja de enrolar E COM A DA REACHER DESENHADA, que eu preferiria chamar de yankee, dá a área de contravento do barco do lado esquerdo da figura anterior.

O tempo, entretanto, passou. Por um lado os enroladores permitem que não se faça troca de panos, em detrimento da eficiência em vento fraco ou da segurança em vento forte. Isso por conta da resistência das velas, indiretamente associada ao seu peso. Por outro lado surgiram (ou melhor, ressurgiram), nessas décadas, novas velas de proa como os spinnakers assimétricos e as reacher verdadeiras. Essas reachers, muito grandes, servem para uma orça ligeiramente folgada em vento fraco e para través forçado, mesmo com vento mais forte um pouco. E são "volantes", isto é, não são envergadas em estai de proa. Ora, na configuração mostrada à esquerda um spi assimétrico pode entrar em conflito com o destorcedor do enrolador, lá em cima, e vai trabalhar agarrado no estai externo, aonde estará enrolada uma vela, com seu protetor solar costurado (tecido áspero). Se numa panejada de mau jeito o spi assimétrico "abraçar" a vela enrolada, vai grudar nela e será preciso uma faina hercúlea para desfazer a lenha.

Outros desenhos mostram essa versão moderna da armação cutter mas sem que o estai externo vá ao tope. O gurupés também é maior e a yankee (como eu passo a chamar a vela de proa externa) não vai amurada bem na ponta do gurupés. Um comprimento livre é deixado para o spi assimétrico e para a reacher. Essa concepção vai mostrada na figura do meio na imagem logo acima.

Finalmente, à direita da imagem mostro o que é uma "reacher" de verdade. Não é apenas uma vela que PODE ser usada no través - É concretamente uma vela de través (forçado), com área um pouco maior do que a das duas bujas somadas e que pode - e deve - ser usada em conjunto com a buja interna. Assim ela e a buja somam área bastante para justificar seu uso no través e, por isso, justificar também o seu nome.

Muito em resumo, é isso. A impressão que eu tenho é que as velas de proa duplas, em cruzeiro, embora reintroduzidas há já alguns anos, ainda não atingiram um nível de desenvolvimento que nos permita dizer que "se cristalizaram". Mesmo a solução mostrada na figura do meio na segunda imagem, por certo mais versátil do que a da esquerda, ainda pode receber críticas. Eu acho, no entanto, que para o velejador casual a solução com gurupés um pouco mais longo, mastreação um pouco fracionada, yankee no enrolador e espaço para a boa operação de um assimétrico pode ser uma resposta adequada para ventos fracos e bom desempenho no través mais folgado e na alheta. A verdadeira reacher, essa foi só dada a título de exemplo mas, em cruzeiro, teria nesses barcos uma utilidade reduzida.

Me diga, por favor, se esse resumo prestou para alguma coisa. Sou péssimo em resumos.

Abs

Arnaldo Paes de Andrade

_________________
Velas Cognac
33 Anos de Brasil
adrianno@openlink.com.br


Voltar ao topo
 Perfil  
 
 Assunto do Tópico: Re: Velas de proa duplas e estais volantes
MensagemEnviado: Seg Mai 16, 2016 12:29 pm 
Offline
Usuário primeira classe
Avatar de usuário

Data de registro: Sáb Mai 14, 2011 11:34 pm
Mensagens: 717
Localização: Rio de Janeiro
Valeu pela aula, Arnaldo!

_________________
Eduardo Azambuja
veleiro Brave Heart


Voltar ao topo
 Perfil  
 
 Assunto do Tópico: Re: Velas de proa duplas e estais volantes
MensagemEnviado: Dom Out 08, 2017 9:16 pm 
Offline
Marinheiro

Data de registro: Dom Jul 01, 2007 3:11 pm
Mensagens: 72
Localização: Botucatu-SP
Nossa, excelente como sempre. Cheguei neste post buscando informações sobre o Pop 25 que tem essa configuração de velas.


Voltar ao topo
 Perfil  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Organizar por  
Criar novo tópico Responder Tópico  [ 6 Mensagens ] 

Todos os Horários estão como UTC - 2 horas


Quem está online

Usuários vendo este fórum: Google [Bot] e 3 visitantes


Você não pode criar novos tópicos neste fórum
Você não pode responder tópicos neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode enviar anexos neste fórum

Procurar por:
Ir para:  
Powered by phpBB © 2000, 2002, 2005, 2007 phpBB Group
Traduzido por phpBB Brasil